Câmara abre sessão para cassação de Cunha, mas suspende por falta de quórum

O deputado Delegado Valdir (PSDB-GO) abriu a sessão da Câmara dos Deputados  destinada a analisar a cassação do ex-presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pontualmente às 19h de hoje (12).

Brasília - O Plenário da Câmara aprovou, entre outras matérias, a Medida Provisória 723/16, que prorroga, por três anos, o Programa Mais Médicos (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Sessão foi suspensa por uma hora para aguardar o quórum mínimo de 400 deputadosFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Entretanto, o quórum no momento da abertura era 328 deputados. Por isso, Valdir decidiu suspender a sessão por uma hora para aguardar o quórum mínimo de 400 deputados, conforme anunciado previamente pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Vou suspender a sessão por uma hora para que possamos atingir o quórum adequado”, disse.

Deputados do PT, PCdoB e PSB protestaram contra a decisão e fizeram um apelo para que a presidência mantivesse os trabalhos abertos, aguardando o restante dos deputados. A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) lembrou que, habitualmente, os deputados se apressam em seguir para o plenário quando sabem que a sessão está aberta e pediu que a presidência não interrompesse os trabalhos.

“Nós sabemos que os deputados vêm para a sessão depois de aberta. Suspender vai esvaziar ainda mais e dificultar o quórum maior”, disse a deputada. O pedido foi em vão, e a sessão foi suspensa pouco tempo depois.

O presidente Rodrigo Maia apoiou o intervalo de uma hora e explicou que a exigência de quórum mínimo de 400 deputados é regimental e não pode ser ignorada. “Estou cumprindo o regimento. Não posso correr nenhum risco nesta sessão”, disse.

Oposição

Mais cedo, Feghali e outros deputados de oposição cobraram que a base aliada do governo de Michel Temer garanta o quórum para a cassação de Cunha. Ela anunciou que PCdoB e PT terão suas bancadas integralmente presentes e rebateu o apelo feito pelo PSDB para que os parlamentares procurem falar pouco durante os debates para que a votação não ocorra muito tarde.

“A primeira coisa é o PSDB colocar a sua bancada aqui”, disse a deputada, em tom de cobrança. Segundo ela, não é possível “controlar a boca dos parlamentares” e cada um terá o tempo que precisar para discursar.

 

Fonte: Agência Brasil

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo WhatsApp (83) 9.9166.6272.

Gilson Alves

Gilson Alves

Radialista DRT: 1.743 - PB e Jornalista DRT: 3.183 - PB. Diretor Geral do Jornal A Página.

Comentários

Loading Facebook Comments ...