Conta de luz de 4,3 milhões de usuários ficará até 20% mais cara em abril

Aneel aprovou ontem, (3) reajuste médio de 16,9% nas tarifas da conta de luz de 234 municípios do estado de São Paulo que são atendidos pela CPFL.

A conta de luz de até 4,3 milhões de usuários ficará mais cara a partir do mês de abril. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (3) reajuste médio de 16,9% nas tarifas da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL Paulista). A companhia atende 234 cidades do estado de São Paulo, uma das regiões mais populosas do país.

A maioria dos consumidores terá um reajuste de 20,17%, uma vez que esse foi o percentual definido para a conta de luz de baixa tensão. Isso inclui unidades residenciais, unidades consumidoras de baixa renda, imóveis rurais, comerciais, de serviçoes e outras atividades, além da iluminação pública. Já para consumidores conectados na rede de alta tensão, em geral indústrias, o aumento será de 11,11%.

O aumento na tarifa de energia já era esperado e passa a valer a partir do próximo domingo (8), mas vez num momento de recuperação da economia e do consumo das famílias. O tema já vinha sendo objeto de audiências públicas promovidas pela Aneel desde janeiro.

A Agência comunicou que esse reajuste diz respeito ao quarto ciclo de revisão tarifária, processo realizado por ela para manter o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos das suas distribuidoras de energia. Essa revisão é realizada periodicamente em intervalos de quatro anos. Ainda segundo a Aneel , “essa revisão tarifária periódica reposiciona as tarifas cobradas dos consumidores após analisar os custos eficientes e os investimentos prudentes para a prestação dos serviços de distrbuição de energia elétrica”.

Conta de luz mais barata

Ao menos, os consumidores dessas cidades também poderão usufruir de outra decisão da Aneel anunciada na semana passada que estabeleceu a bandeira tarifária da energia elétrica continuará verde em abril. Isso significa que não haverá cobrança extra na conta de luz de acordo com o consumo.

Essa medida vem sendo adotada desde 2017 por causa do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. A intenção era arrecadar, com a tarifa extra na conta de luz , recursos suficientes para cobrir os custos da produção de energia mais cara, gerada por termelétricas.

 

 

Imagem destacada: Reprodução internet.

 

Fonte: IG. / AGÊNCIA BRASIL.

 

 

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo WhatsApp (83) 9.9166.6272.

Gilson Alves

Gilson Alves

Radialista DRT: 1.743 - PB e Jornalista DRT: 3.183 - PB. Diretor Geral do Jornal A Página.

Comentários

Loading Facebook Comments ...