Doleiro delator da Lava Jato é preso em JP

Um “doleiro”, delator do esquema investigado pela Operação Lava Jato, foi preso novamente na manhã desta terça-feira (15), em João Pessoa, durante a “Operação Efeito Dominó” da Polícia Federal (PF) – que combate crimes de lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas. Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará, mencionou os políticos Fernando Collor de Mello (PTC), Aécio Neves (PSDB), Renan Calheiros (MDB) e Randolfe Rodrigues (Rede) como participantes de ações corruptas.

A PF está cumprindo cinco mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária e 18 mandados de busca e apreensão, na deflagração da Operação Efeito Dominó, que combate crimes de lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas.

Além da Paraíba, onde acontecem também dois mandados de busca e apreensão – um na capital e outro em Cabedelo, também acontecem ações e prisões em Pernambuco, Ceará, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo.

Em um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), Carlos Alexandre é suspeito de atuar na Lava Jato com o doleiro Alberto Youssef. “Quanto ao operador financeiro (doleiro) já investigado da Operação Lava Jato, chama atenção o fato de ter retornando às suas atividades ilegais mesmo tendo firmado acordo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República, que foi posteriormente homologada pelo Supremo Tribunal Federal”. A PGR e o STF serão comunicados sobre a prisão do réu colaborador, para avaliação quanto a “quebra do acordo firmado”, informou a Polícia Federal.

Os presos na operação serão conduzidos à Superintendência da PF em Curitiba onde permanecerão à disposição da Justiça Federal.

Efeito Dominó – De acordo com a Polícia Federal, a denominação “Efeito Dominó” é uma alusão ao fato de existir um efeito em cascata no tráfico internacional de entorpecentes pois, por se tratar de crime que visa lucro, o dinheiro ilícito arrecadado, especialmente no grande volume identificado nesta operação, necessita de forte estrutura de lavagem de dinheiro, consistente na movimentação de recursos em espécie no país com a intervenção de operadores financeiros.

A referência também se baseia na identificação dos procedimentos sobrepostos de lavagem de dinheiro identificados, sempre com o objetivo de ocultar a origem e o real beneficiário dos recursos provenientes do tráfico internacional de drogas.

 

Imagem destacada: Reprodução internet.

 

Fonte: PORTAL S1

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo WhatsApp (83) 9.9166.6272.

Gilson Alves

Gilson Alves

Radialista DRT: 1.743 - PB e Jornalista DRT: 3.183 - PB. Diretor Geral do Jornal A Página.

Comentários

Loading Facebook Comments ...