qua. nov 14th, 2018

Governador admite que não tem como reagir a ataques como o do PB1

Ricardo acrescentou que o armamento utilizado pelos bandidos no ataque ao PB1 são proibidos para policiais.

O governador Ricardo Coutinho (PSB) admitiu, nesta segunda-feira (10), que não há como reagir a ataques como o ocorrido no Presídio de Segurança Máxima PB1. De acordo com ele, as armas utilizadas pelos criminosos durante a ação têm características das usadas por terroristas e que no Brasil a polícia é impedida de ter armas desse porte.

“A inteligência que existe nos órgãos, nós trabalhamos diuturnamente. Coisas que não vou dizer porque só interessa a polícia. Tem coisas que você evitar e tem coisas que não são possíveis evitar. Consegue reagir sim, agora aconteceu de uma forma como nunca aconteceu. Eles terem granada, explosivo, evidentemente que a reação está fora do contexto dessa pergunta”, falou ao ser questionado pelo repórter Éclinton Monteiro, da 98 FM/Correio Sat.

Ricardo acrescentou que o armamento utilizado pelos bandidos no ataque ao PB1 são proibidos para policiais. “Primeiro é um ataque de uma organização criminosa utilizando recursos de terrorismo, que usam armas proibidas até para a polícia. A Ponto 50, por exemplo, perfura uma parede daquela, que é a parede que tem em todos os presídios do País. As polícias não podem ter essas armas, mas aqui no Brasil os criminosos comumente têm acesso as essas armas”, concluiu.

 

Imagem destacada: Reprodução internet.

 

Fonte: PORTAL CORREIO.

Comentários

Loading Facebook Comments ...

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo WhatsApp (83) 9.9166.6272.