Médicos ressaltam importância do Hospital Metropolitano para saúde dos paraibanos

O dia 4 de abril de 2018 será um “divisor de águas” na saúde dos paraibanos. Nesta data, será inaugurado o Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, referência em cardiologia e neurocirurgia, que representa um investimento de mais de R$ 150 milhões, sendo 85% de recursos próprios do Governo do Estado. O atendimento na unidade será referenciado (encaminhado pelos municípios) beneficiando a população dos 223 municípios da Paraíba.

Médicos paraibanos ressaltam a importância da nova unidade hospitalar, que vai desafogar o atendimento de outros hospitais e proporcionar tratamentos com métodos avançados. O pediatra e diretor geral do Complexo Pediátrico Arlinda Marques, Cláudio Régis, explicou que, com o Metropolitano, o Arlinda ficará liberado para a pediatria geral. “Serão liberados sete leitos de UTI que, atualmente, são utilizados para cardiologia e neurocirurgia. Ou seja, o Arlinda manterá o seu perfil, que é fazer o primeiro atendimento e estabilizar os pacientes. Se o caso for de cirurgia, será encaminhado para o Metropolitano”, observou.

O neurocirurgião George Mendes, que coordenará a neurocirurgia vascular da unidade, ressaltou que o Hospital Metropolitano significará uma mudança de paradigmas no tratamento das doenças neurológicas. “Pacientes vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC) vão ter a oportunidade de serem tratados por métodos avançados, diminuindo as sequelas, a exemplo de ficar em cima de uma cama ou até mesmo morrer”, disse.

Estrutura – O Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires contará com 226 leitos, sendo 60 de UTI (adulto e pediátrico), além de serviço de diagnóstico por imagem, ambulatório, UTI e UTI Coronariana e Centro Cirúrgico. O Hospital possui heliponto com 40 metros quadrados e capacidade para receber todos os modelos de helicópteros comerciais.

O Hospital vai iniciar o atendimento à população com 135 leitos, sendo 26 leitos de observação, 61 de internação, 40 de UTI, oito leitos de recuperação pós-anestésico e um centro cirúrgico com cinco salas destinadas à cardiologia e neurologia.

Serviços – Os serviços imediatamente disponíveis na unidade serão: diagnóstico por imagem, funcionando 24 horas; duas salas de radiologia convencional; duas salas de angiografia; duas salas de tomografia; uma sala de ressonância magnética; uma sala de ultrassom com Doppler e Ecodoppler Arterial; dois eletrocardiógrafos; dois ecocardiógrafos; uma sala de ergometria, eletroencefalograma e eletroneuromiografia; seis consultórios para ambulatórios em cardiologia e neurologia (pediátrica e adulto) internação; Unidade de Terapia Intensiva e Coronariana – 40 leitos, sendo 10 deles para pediatria e cinco Salas de Cirurgia.

 

Imagem destacada: Reprodução internet.

 

Fonte: PB AGORA.

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo WhatsApp (83) 9.9166.6272.

Gilson Alves

Gilson Alves

Radialista DRT: 1.743 - PB e Jornalista DRT: 3.183 - PB. Diretor Geral do Jornal A Página.

Comentários

Loading Facebook Comments ...