sex. nov 16th, 2018

PF solicitará dados da casa de Temer para comprovar propina em dinheiro vivo

Polícia e Ministério Público investigam pagamentos de caixa 2 e propina em espécie, após delações de ex-executivos da Odebrecht; PF também irá solicitar registros de acessos ao ministério de Minas e Energia e ao Senado.

A Polícia Federal e o Ministério Público têm o foco, agora, em comprovar que realmente houve pagamento de caixa 2 e propina em dinheiro vivo, assim como foi relatado por ex-executivos da Odebrecht em delação premiada da empreiteira na Operação Lava Jato. Para tanto, os investigadores devem mapear onde, quando e como ocorreram as entregas de dinheiro em espécie.

Uma das solicitações da PF nessa nova etapa de investigação da Lava Jato será o registro de controle de entrada e saída do Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência da República e onde vive o hoje presidente Michel Temer, no dia 28 de maio de 2014. Na data, teria ocorrido um jantar entre os ministros da Casa Civil Eliseu Padilha (PMDB) e da Secretaria-Geral Moreira Franco, Temer e Marcelo Odebrecht, que relatou uma doação ao PMDB de R$ 10 milhões em espécie, que foi discutida e decidida durante o encontro.

O pedido faz parte das diligências autorizadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF. Outra medida autorizada por ele é a obtenção de registros da presença do ex-diretor da Odebrecht Sérgio Neves, hoje delator na Lava Jato, e de outros funcionários da empreiteira na concessionária de Belo Horizonte, Minas Máquinas, que é ligada ao suposto “operador financeiro do senador Aécio Neves (PSBD-MG)”, em obras da Cidade Administrativa, que abriga a sede do governo mineiro.

A polícia também deve correr atrás de informações sobre possíveis encontros entre o ex-executivo da Odebrecht Henrique Valladares com o senador e ex-ministro de Minas e Energia Edison Lobão (PMDB-MA), outro político apontado nas delações de receber propina em dinheiro vivo, a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

O levantamento realizado pelo jornal “Folha de S. Paulo” aponta que a PF deve cumprir mais de 240 medidas nesta primeira etapa de investigações em torno das propinas e caixa 2 em dinheiro vivo, sem contar com aquelas que se referem a dados telefônicos, fiscais e bancários, que estão mantidos sob sigilo.

Novos depoimentos

Também de acordo com o jornal, ao menos 166 citados nas delações serão intimados a depor a partir da próxima semana. A lista inclui políticos alvos de inquéritos, autoridades não investigadas, além de empresários, operadores e testemunhas. Um dos nomes apontados para depor em breve é o do advogado José Yunes, ex-assessor de Temer e personagem envolvido no episódio dos R$ 10 milhões ao PMDB.

Também devem depor, novamente, ex-funcionários da empreiteira, que darão mais detalhes sobre os casos delatados. Emílio e Marcelo Odebrecht estão na lista de intimação. Entre os investigados na Operação Lava Jato estão oito ministros, três governadores, 24 senadores e 39 deputados.

Também devem depor, novamente, ex-funcionários da empreiteira, que darão mais detalhes sobre os casos delatados. Emílio e Marcelo Odebrecht estão na lista de intimação. Entre os investigados na Operação Lava Jato estão oito ministros, três governadores, 24 senadores e 39 deputados.

 

Imagem destacada: Reprodução / Internet

Fonte: iG

Comentários

Loading Facebook Comments ...

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo WhatsApp (83) 9.9166.6272.