Paraíba Política

Cássio Cunha Lima chama atenção para a seca no semiárido nordestino

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) chamou atenção para a seca no semiárido nordestino, que dura cinco anos e, segundo ele, já é a maior da história. Ele ressaltou o fato de que a crise hídrica afeta 20 milhões de pessoas e ainda pode piorar.

Cássio Cunha Lima celebrou a realização, na manhã desta quinta-feira (3), de sessão temática no Plenário do Senado sobre o tema, mas observou que o problema já não é mais de médio prazo e tornou-se uma urgência. Ele elencou uma série de medidas que deveriam ser tomadas para confrontá-lo.

– Temos que apressar as obras da transposição do São Francisco. É preciso começar de imediato um vigoroso programa de construção de barragens subterrâneas, que permitirão, no médio prazo, perenizar todos os rios e riachos do semiárido e alocar recursos do Orçamento Geral da União para a construção de adutoras para as cidades e comunidades ruraisdefendeu o senador.

O senador também criticou a postura do governo federal e do governo de seu estado, que, segundo ele, jamais deram a devida importância ao problema. Segundo relatou, em 2012, quando a seca ainda não era tão severa, a presidente Dilma Rousseff apresentou um estudo aos governadores nordestinos mas condicionou a implementação de medidas a apoio político no Congresso.

 

Informações com Agência Senado 

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo número do WhatsApp (83) 9.98846.4407.

Brenow Muniz
Brenow Muniz
Paraibano da cidade de João Pessoa, estudante de Radialismo pela UFPB. Começou no Portal Livre, onde se tornou chefe de redação e reportagem. Passou pela TV UFPB, onde exerceu as funções de roteirista de programação e editor de imagens, e na Rádio Sanhauá, onde atuou como produtor e repórter. Atualmente é repórter político no Jornal A Página.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.