‘Condução à PF foi fruto de descumprimento de medida cautelar’, diz defesa de Fabiano

‘Condução à PF foi fruto de descumprimento de medida cautelar’, diz defesa de Fabiano

A defesa do comunicador Fabiano Gomes esclarece que ele foi conduzido à sede da Polícia Federal, em João Pessoa, na manhã desta quarta-feira (22), por uma única razão: para prestar esclarecimentos sobre o descumprimento de uma das medidas cautelares decretadas contra o cliente na Operação Xeque-Mate.

“Uma das medidas cautelares determina que Fabiano compareça, uma vez por mês, para assinar documentos na Justiça. Neste mês de agosto, por conta de dias de atraso no comparecimento, a Justiça compreendeu o ato como desobediência”, explicou o advogado Rembrandt Asfora.

O advogado esclareceu, ainda, que “em nenhum momento o radialista Fabiano Gomes se esquivou, por descaso, como fundamentado na decisão judicial, de cumprir as medidas cautelares a ele aplicadas, tendo inclusive se apresentado espontaneamente ao Ministério Público para prestar suas declarações no início da operação, tornando-se oportuno destacar que ele vem as cumprido rigorosamente”.

A defesa reitera que, desde o princípio da Operação, Fabiano Gomes tem colaborado espontaneamente com depoimento e informações nos autos e investigações do processo, como prova de sua disposição de contribuir com a Justiça e a verdade dos fatos.

 

Imagem destacada: Reprodução internet.

 

Fonte: WSCOM.

 

 

Gilson Alves

Radialista DRT: 1.743 - PB e Jornalista DRT: 3.183 - PB. Diretor Geral do Jornal A Página.

Deixe seu comentário