Denúncias

País paralisado e ameaça de invasão ao Senado

O poeta haveria de dizer: “Enquanto os homens  exercem seus podres poderes…”. Mas o poeta está mais ocupado em defender a canalhice que joga o país no atoleiro econômico e no abismo político.

À deriva, o Brasil vê suas instituições servindo de palco para as mais extravagantes manobras, como a do deputado Waldir Maranhão (PP-MA), que em menos de 24 horas conseguiu derrubar a Bovespa, fazer o dólar disparar, arranjou inimizade com meio mundo de parlamentares, jogou a reputação do seu filho na lama (Thiago Augusto era lotado no TCE do Maranhão onde ganhava mais de R$ 8.000 mensais sem pisar lá) e transformou a histeria das senadoras Gleise Hoffmann (PT-PR) e Vanessa Graziottin (PCdoB-AM) em ícone do desespero governista neste ocaso do lulopetismo.

renan calheiros, gleisi hoffman vanessa grazziotin by jane araujo
Gleise e Vanessa, senadoras histéricas envolvidas em denúncias da Lava Jato. (Foto: reprodução / Jane de Araújo)

Outra manobra repugnante veio do cambaleante Supremo Tribunal Federal, instituição tão desacreditada que o povo ensaia nas redes sociais um pedido de impeachment desta Corte. O afastamento de Eduardo Cunha até chegou a ser celebrado, mas num instante seguinte, diante da ação de Valdir Maranhão, que o substituiu na presidência da Câmara de Deputados, ficou a enorme pulga (quase uma capivara) atrás da orelha da nação: será que o STF tirou Cunha para que o manobrável Valdir anulasse o processo de impeachment?

Na atual conjuntura nacional, vale tudo, inclusive levantar hipóteses sobre a seriedade das instituições, afinal, elas mesmas dão espetáculos de insanidade administrativa e regimentar. Mas, não é só isso. Vem mais espetáculo por aí.

Hoje, 10 de maio, o país acordou paralisado. Os ditos ‘Movimentos Sociais’ fecharam estradas, cidades e complicaram ainda mais a vida do país. É outro tiro no pé (deles), uma vez que tais atos abrem espaço à ação das Forças Armadas, responsáveis por manter a ordem. Vai ver o MST, CUT, UNE e outros bichos estão mesmo chamando os militares para a briga…e depois dirão que os outros é que são golpistas.

O site ‘O Antagonista’ já alertou que há a possibilidade desta turma vermelha detonar a bagunça generalizada no país, começando pela invasão do Senado da República no dia de hoje. Quem duvida que eles são capazes?

Apoiados pelo senador Paulo Paim (PT-RS), uma multidão contra o impeachment estaria, segundo o site, esperando a senha de ‘invadir’, que seria dada por Paim durante uma audiência pública no Senado. O objetivo seria impedir a votação do impeachment da presidente Dilma e, mais que isso, desmoralizar de vez o país.

A Justiça brasileira, sob suspeita generalizada de conivência com estes atos, permanece quietinha. Enquanto isso, no Palácio do Planalto, militantes já estão a postos, prontos a lutar pelo que eles chamam de ‘democracia’, e sabe-se lá o que isto significa para eles.

A paralisia do sono do Brasil, este gigante que insiste em sonhar ao invés de enfrentar a realidade, vai custar ao povo ao menos uma década de esforços para se erguer de volta ao patamar de nação respeitável. Se não tivesse um evento mundial prestes a acontecer por aqui, provavelmente o resto mundo estaria pouco se importando. Mas nada é por acaso. Trazer as Olimpíadas e querer fazer uma revolução bolivariana ao mesmo tempo foi outro grande tiro no pé dado pelos esquerdistas.

Ao que parece, inteligência e estratégia não são traços fortes desse pessoal, não é ?

E por falar em inteligência, que fim levou o Lula ?


Com informações de O Antagonista, Diário do Poder e BlastingNews

Crédito imagem destacada: reprodução / ordemdaconfraria

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo número do WhatsApp (83) 9.98846.4407.

Vlamir Duarte
Vlamir Duarte
Graduando em Rádio & TV, natural de Bananeiras, apaixonado por artes, fotografia e formas de instigar o pensamento. No Portal Livre iniciei minha experiência profissional como redator, tendo depois exercido o cargo de chefe de reportagem e colunista. Escrever sempre foi meu hobby, contestar a melhor maneira de aprender a lutar por uma imprensa livre e isenta.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.