Justiça Paraíba

TCE-PB atuava para encobrir “práticas criminosas” diz denúncia do Ministério Público da Paraíba

O Tribunal de Justiça da Paraíba, em denuncia protocolada nesta segunda-feira (13), pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO) aponta o Tribunal de Contas do Estado como “instrumento para encobrir práticas criminosas”. A acusação faz referências aos contratos irregulares entre o governo, a Cruz Vermelha Brasileira e o Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional (Ipcep) que teriam desviados valores superiores a R$ 60 milhões.

Em trecho da denúncia diz o MPPB: “As investigações revelam um amplo domínio do ex-governador Ricardo Coutinho, sobre segmentos dos demais poderes. Parte dessa submissão está sendo apurada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma vez que se detectou, no curso das investigações, que o Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), por parcela de seus conselheiros, tornou-se um doa principais instrumentos de para encobrir práticas criminosas e, em determinados momentos, , potencializá-las, tendo papel central  no “modelo de negócio” da empresa criminosa, que passou a deixar a intimidação como “força de reserva” para adotar  a “infiltração”  dos setores públicos.”.

Os conselheiros, André Carlo Torres, Arthur Cunha Lima e Dominando Diniz foram alvo de busca e apreensão e foram afastados pelo STJ durante a sétima fase da Operação Calvário.

 

Fonte: MPPB C/ BLOG DA EDNA SOARES.

Leia mais notícias em www.jornalapagina.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e em breve veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode comunicar erro ou enviar informações à Redação do Jornal A Página pelo número do WhatsApp (83) 9.98846.4407.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.